sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Quero Ser Marla Singer


Publiquei isso em outro blog, tempos atrás, em que escrevia sob pseudônimo. Hoje, relendo, me pareceu tão... 'de agora' que resolvi trazer para cá.
...
Branca quase azul, rouba calças das lavanderias automáticas para vender nos brechós, onde também compra suas roupas (de preferência vestidos de festa). Vive de refeições que o serviço social entrega para pessoas que já morreram, mora num hotel pulguento. Tem lábios grossos (“lábios de sofá italiano de couro preto”) sempre pintados de vermelho, o cabelo é artisticamente desalinhado, usa um risco de lápis muito preto nos olhos, quer morrer mas não consegue, come o Tyler Durden (Brad Pitt), tem um caso com o Narrador (Ed Norton) e diz coisas assim:
- Os funerais não são nada perto disto. São cerimônias abstratas. Só aqui tem-se a verdadeira sensação da morte.
- Não tenha medo. Ele não vai te comer (para T. Durden, referindo-se ao vibrador de plástico pink sobre a cômoda).
- A camisinha é o sapatinho de cristal da nossa geração. Você calça quando conhece uma pessoa, dança a noite toda e depois joga fora. A camisinha, não a pessoa.
Definitivamente, quero ser Marla Singer.


4 comentários:

Fábio Vanzo disse...

Você é a sensação da morte, o vibrador ou a camisinha usada de Jack?

Beto Canales disse...

Muito bom.

Parabéns.

Henrique Hemidio disse...

Esse filme é muito bom, seua escrita também...

LOURIVAL disse...

desencana que a vida engana
cai na real se pendura no varal