quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Fome


Santos tinham visões porque jejuavam. Nada de divino, poderoso, extraordinário. Pura e simples inanição. Falta de nutrientes, hipoglicemia. Dias e dias sem comer resultavam em miragens, algo como sonhar colorido de olhos bem abertos. Os profetas tinham revelações da fome. Ela sentou-se à janela olhando o azul bruto do céu e perguntou a ninguém se outras fomes poderiam provocar alucinações. Períodos longos de privações afetivas produziriam algum tipo de ilusão sensorial? Anos de sexo sem orgasmo fariam que tipo de efeito psicodélico surgir de repente, do nada? Não sabia. Intuía que coisas nela haviam mudado, acontecido. Sabia por que tinha tido visões. Na primeira vez, achou que fosse apenas um desmaio seguido de um estranho sonho desconexo. Nas outras três, houve apenas o medo, seguido de uma inexplicável calma interior. Pensava se estaria louca, insana, alguma coisa embolorando dentro do cérebro. Não! Suas capacidades respondiam perfeitamente às necessidades. Tudo normal. A mutação ocorrera, era fato. Porém, nada de externo a denunciava como diferente. Nada mostrava ao mundo ser ela a nova profetisa do grande vazio, mártir caótica sem inquisição, santa sem hordas em procissão ou prece. Sabia só que tinha um propósito, uma missão. Sem cultos, templos, nem fiéis. Apenas uma tarefa a cumprir em gratidão ao dom recebido. A quem servia? Isso ela não sabia. Talvez a nada, a ninguém. Mesmo assim, seguia em frente no que se tornara o trabalho da sua vida. Tarefa solitária, lenta, desalentadora, mas dela. Voltou a cabeça quando percebeu que o som da água que caía do chuveiro havia cessado. A porta se abriu e viu que ele surgia sorridente no quarto, vindo do banheiro. Ela também sorriu. Ele abraçou-a. Ela o beijou com enorme doçura e se abriu para recebê-lo em sua vagina repleta de novos e afiados dentes.

7 comentários:

Fabrício Romano disse...

kkk, carnívora ela, muitas são...
"Sabia só que tinha um propósito, uma missão. Sem cultos, templos, nem fiéis. Apenas uma tarefa a cumprir em gratidão ao dom recebido." muito bom, sou eu.

Rodrigo Souza disse...

Subject: RAVIZZONI, Denise
---------------------------------
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primatae
Família: Hominidae
Genero: Homo
Espécie: H. sapiens
SubEspécie: Vagina dentata

Já sei o que vou querer de aniversário.
http://tinyurl.com/5y657p

Carlos Patrício disse...

Denise, você me fez lembrar os bons e velhos tempos de contista do Clive Barker e seus Books of Blood - essa imagem da vagina dentada vai perseguir a gente até o Apocalipse...

Sheyla Amaral disse...

Denise, traumatizou os caras. Surpreendente.

Karina disse...

Só pra variar, muito bom o texto. A tal vagina dentada vai deixar os moços com medo. kkk

Paulo Mota disse...

Impressionante metáfora!

MELISSA disse...

juro pelo que vc quiser que isto nao é uma comparaçao, acredito q a arte nao deve ser comparada, cada criaçao nasce de experiencias singulares da vida de cada ser, se ha similaridades, deve-se estas ao fato de vivermos no mesmo plano...mas preciso puxar uma referencia para alcançar o que quero dizer.
o conto Fome lembra o "7 minutos" ( se vc ja o leu nao preciso me estender)...
fantastico!!!
grande abraço... da sua fâ Melissa Anjos